ÉDER
OLIVEIRA

1983— Timboteua
Vive e trabalha em Belém

Éder Oliveira

O artista paraense, Éder Oliveira, nasceu em 1983, em Timboteua, região do Salgado paraense. É licenciado em Educação Artística – Artes Plásticas pela Universidade Federal do Pará. Considerado como pintor por natureza, desde 2004 desenvolve trabalhos relacionando retratos e identidade, tendo como objeto principal o homem amazônico. Atualmente, trabalha e vive em Belém, onde é representado pela galeria Periscópio Arte Contemporânea, de Belo Horizonte.

Éder Oliveira tem o poder de transformar pessoas e lugares em encontros de ideias, onde o personagem é seta e o alvo são as questões do cotidiano.

Pelo social

Com uma macro consciência na formação da sociedade, parece ter dado aos seus personagens o poder para uma doce renovação em movimentos políticos e movimentos sociais.

Sua necessidade em fazer com que qualquer pessoa, mesmo que só por algumas horas, sinta-se um pouco mais humana, seguramente é o objetivo do artista, que se apropria das manchetes diárias dos jornais da sua cidade para nos dar a possibilidade de compreender o presente ao aprender o passado, ou ao elaborar novas questões para o futuro.

 

Contando histórias

Seguramente, seus personagens têm uma potente imagem e, consequentemente, grande responsabilidade no trato com o pensamento da população nas notícias de cada pessoa representada pelo artista em sua obra.

Desta forma, em todas as direções possíveis do caminho da seta, como na própria criação artística, tudo será, ou é, permitido. Acredito que o que Éder gosta mesmo de fazer é contar histórias, e é para isso que ele pinta, para contar uma situação do universo de cada pessoa, em olhares onde podemos captar o despudor, o frescor, a maluquice inventiva do artista.

Sendo assim, tudo é real na sua pintura gestual, onde tudo revela a narrativa que quer comunicar… ele consegue mudar o sentido dessas pessoas, dando-lhes novas imagens na sua pintura visceral, por dentro e por fora.

Consequentemente, nosso olhar capta isso em seus trabalhos, onde há uma realidade que nos faz sonhar novamente por todos os lados da vida! 

por Wilson Lázaro

Exposições INDIVIDUAIS de pinturas e fotografias

Trabalhando em diversos suportes, como óleos sobre tela, intervenções, e site-specific, com esse tema realizou as exposições individuais de Pintura ou de Fotografia como:

. Violência (Palácio das Artes, Belo Horizonte, 2017);

. Malerei – oder die Fotogafie als Gewaltakt (Kunsthalle Lingen, Alemanha, 2016);

. Você é a Seta (Galeria Periscópio Arte Contemporânea, Belo Horizonte, 2016);

. Páginas Vermelhas (Galeria Blau Projects, São Paulo, 2015);

. Alistamento (SescBoulevard, Belém, 2015).

PRINCIPAIS EXPOSIÇÕES COLETIVAS:

. Modos de Ver o Brasil – Itaú Cultural 30 Anos (MAM SP, 2017);

. Malereiaus der Kunstsammlung der Stadt Lingen (Kunsthalle Lingen, Alemanha, 2017);

. A Cor do Brasil (Museu de Arte do Rio, 2016);

. 31ª Bienal de Artes SP (São Paulo, 2014);

. Participou de itinerâncias em 2015 em Campinas (Sesc Campinas) e Porto (Museu de Serralves).

Prêmios

Entre bolsas e premiações, destacam-se:

. Prêmio Pipa – Voto Popular Exposição (2017);

. Lingener Kunstpreis 2016 (Alemanha);

. Rede Nacional Funarte Artes Visuais (2015);

. Prêmio Seiva Projetos Artísticos (Fundação Cultural do Pará, 2015);

. Bolsa Funarte de Estímulo à Produção em Artes Visuais (2014).

aCERVOS

. Centro de Arte Dos de Mayo – Madrid, Espanha;

. Fundação Clóvis Salgado, Belo Horizonte/MG;

. Fundação Marcos Amaro;

. Itaú Cultural;

. Kunsthalle Lingen – Alemanha;

. MAC – Rio Grande do Sul;

. Museu Casa das Onze Janelas;

. MAB – Museu de Arte de Belém;

. MAR – Museu de Arte do Rio.

Pin It on Pinterest

Share This