Vista exposição “República da Cobra, foto por Jon Silveira

Dia 21 de novembro, a galeria Periscópio Arte contemporânea abriu espaço para uma nova exposição, intitulada “República da cobra”, com curadoria de Germano Dushá. A mostra reúne os trabalhos passados e inéditos dos artistas Randolpho Lamonier (MG) e Thiago Martins de Melo (MA), em diferentes técnicas como pinturas, bordados e instalações. A  exposição permanecerá até dia 05 de janeiro de 2019, aberta ao público em horário comercial: segunda a sexta, de 10h às 18:30 e sábado, de 10h às 14h.

Entre a periferia industrial de sua cidade natal, Contagem, e os grandes centros urbanos, Randolpho Lamonier desenvolve sua pesquisa visual a partir de diversas mídias e processos, num acúmulo de signos e gestos que refletem sobre a urgência na construção de identidades individuais e coletivas. Nos cruzamentos entre a vida íntima e os assuntos de ordem pública, se define uma articulação entre micro e macro política, um estado constante de reflexão e insurgência que faz presente no menor dos gestos uma postura crítica sobre o estado de normalidade. Randolpho vive e trabalha em Belo Horizonte. Indicado ao Prêmio PIPA na edição deste ano (2018), já recebeu premiações como Prêmio Residência Camelo (BH, 2016) e Prêmio Incentivo Bienal Naïfs do Brasil-2016 (Sesc-SP).

Vista exposição “República da Cobra, foto por Jon Silveira

As pinturas de Thiago Martins de Melo fazem um barroco próprio, anacrônico e anárquico. Através de cores vibrantes, dando luz a uma distopia tropical: surgem cenários e situações ocupadas pelo que há de mais nefasto debaixo do céu, mas também por uma energia ancestral que se faz sentir em toda luta de quem resiste. No lugar das esferas de protagonismo e da distribuição clássica de papéis, muitas vozes antes condenadas às margens revelam suas potências. Nessas conjunturas complexas, também não se afirmam maniqueísmos e outros binarismos, mas um maquinário histórico confuso e impiedoso. Há arte e guerra, cálculo e misticismo, presságio e documentação. Elencam-se tragédias de todas as escalas, mas que não impedem o rompante vital de formas de vida  e de diversas imaginações.

Atualmente, Thiago vive e trabalha em São Luís. Finalista do Prêmio PIPA em 2014, já foi indicado outras quatro vezes, nas edições de 2011, 2012, 2016 e 2018. Além disso, participou da 31ª Bienal de São Paulo, SP, e da 12ª Biennale de Lyon, França.

O título da exposição faz uma alusão ao mito da “Cobra Grande” de algumas tribos indígenas, no qual a cobra grande ameaçava a vida dos índios, representando um perigo constante. Associado a isso fica o questionamento para cada pessoa, o que seria essa tal cobra grande dentro do contexto de república em que vivemos?

__________

Serviço:

Exposição:  “República da Cobra – Randolpho Lamonier e Thiago Martins de Melo”

Curadoria: Germano Dushá

Abertura: 21/11/2018, de 19h às 22h

Bate-papo: 24/11/2018

Exposição: até 05/01/2019

Seg a sex: 10h às 18:30h | Sáb: 10h às 14h

Local: Av. Álvares Cabral, 534, Lourdes, Belo Horizonte – MG

__________

Mais informações: jon@periscopio.art.br | (31) 3567-0881

Pin It on Pinterest

Share This