Pelo mundo

Acompanhe as

RANDOLPHO LAMONIER no Palácio das Artes
28.08.17

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Entre os dias 1 de setembro e 19 de novembro a produção artística mineira invade o Palácio das Artes com a 3ª edição do programa ARTEMINAS – não quis o que estava no ar:. O programa é uma iniciativa da Fundação Clóvis Salgado de fomento à produção mineira em artes visuais. 

Para a edição deste ano foram selecionadas obras dos artistas Pedro MoraleidaMarta NevesRandolpho Lamonier e Desali. Serão exposições individuais que tem em comum uma proposta discursiva de transgressão e questionamento. de propostas revolucionárias e de vanguarda, e se distinguem pelas particularidades de cada artista e seus modos únicos de expressão.

Sobre a exposição VIGÍLIA (GaleriaGenesco Murta)
de Randolpho Lamonier

Randolpho Lamonier tem uma trajetória de expressão artística ligada à memória e à afetividade. Em Vigília, as mais de 130 obras do artista resgatam o percurso do mineiro, trazendo obras centrais em sua carreira, assim como trabalhos inéditos que demonstram seu desejo pela experimentação.

O trabalho de Lamonier reúne diferentes mídias, como fotografia, pintura, desenho, vídeo, tapeçaria e instalação. A exposição contempla também a vivência do mineiro, que nasceu em Coronel Fabriciano, e mudou-se para o município de Contagem, onde passou boa parte da vida. Algumas peças trazem as histórias ligadas à Belo Horizonte, acerca do contexto periférico e do hipercentro da capital.

Classificação indicativa: 18 anos

 

Randolpho Lamonier nasceu em Coronel Fabriciano. Graduado em Artes Visuais na Escola de Belas Artes da UFMG, vive e trabalha em Belo Horizonte. Desenvolve trabalhos em diversas mídias, sobretudo a fotografia articulada a outras linguagens. Atua no circuito independente de Belo Horizonte e trata também da própria vivência cotidiana nessa cidade como forma de trabalho, na qual a fotografia protagoniza múltiplas formas de troca simbólica. Destacam-se as coletivas Um tanto de nós, no Museu da UFPA, em Belém (2015); Fotografia Mineira Contemporânea, em Tiradentes (2014); Muestra Marrana, em Barcelona (2014); Territórios Compartilhados da Imagem, na FIF, em Belo Horizonte (2013); Salle d’attente, em Paris (2012); e a individual Diários em Combustão na Galeria Orlando Lemos, em Nova Lima (2014). Em Vigília (2017), o artista reúne aproximadamente 130 obras produzidas em variados suportes.

 

INÍCIO
01 de Setembro de 2017

TÉRMINO
19 de Novembro de 2017

HORÁRIO
De terça a sábado, das 9h30 às 21h

Domingo de 16h às 21h30

CLASSIFICAÇÃO INDICATIVA
18 ANOS
INFORMAÇÕES PARA O PÚBLICO
(31) 3236-7400

ENDEREÇO

Galerias Alberto da Veiga Guignard, Arlinda Corrêa Lima, Genesco Murta e Mari’Stella Tristão | Palácio das Artes

PREÇO

Entrada gratuita