Wilson Baptista

Fotógrafo

PROJETO WILSON BAPTISTA

O Projeto Wilson Baptista pretende estudar, preservar, discutir e divulgar o acervo fotográfico de Wilson Baptista, com cerca de 7 mil negativos produzidos entre as décadas de 1930 e 1990, em sua maioria na cidade de Belo Horizonte e arredores. Esta mostra, integrante da primeira etapa do projeto, foi proposta em prol da edição de um livro cujo intuito é inaugurar o processo imersivo no acervo do fotógrafo.

 

Wilson Baptista considerava-se um fotógrafo amador: nunca teve um estúdio ou algo do gênero e costumava usar a sala na qual um colega dava aulas de taquigrafia “como observatório para fotografar as coisas”, bem no centro da cidade. Mais interessado no que a fotografia podia dar a ver do que na tarefa, diretamente associada ao mecanismo fotográfico, de documentar a realidade, acabou constituindo, de maneira nada pretensiosa, um arquivo riquíssimo através do qual podemos percorrer os ritmos, movimentos e fatos cotidianos de transformação urbana, visitar a micro-história nos olhares, práticas sociais e acontecimentos coletivos públicos e enxergar formas e composições autônomas derivadas de objetos familiares como puro exercício plástico. Tais visualidades reveladas habitam a fronteira entre a documentação e a arte, demonstrando que a discussão, em pauta desde a invenção da fotografia no início do século XIX, está longe de ser esgotada.

 

Wilson Baptista nasceu em Belo Horizonte em 1913, onde viveu até 2014. Foi um dos fundadores e o primeiro presidente do Foto Clube de Minas Gerais. Foi organizador e participante de exposições e salões nacionais e internacionais de fotografia até meados dos anos sessenta, nos quais foi premiado diversas vezes. Fotografias suas ilustraram, a partir dos anos 1980, diversas publicações nas áreas de arquitetura, urbanismo e história da capital mineira. Realizou a exposição individual Wilson Baptista: Fotografias em 2000 no Instituto de Arquitetos do Brasil e foi homenageado na retrospectiva Diálogos nos tempos da Fotografia, em 2007 na Casa do Baile, com a participação de fotógrafos mineiros contemporâneos. Participou recentemente das exposições coletivas Segue-se ver o que quisesse (2012) e Escavar o Futuro (2013-2014), ambas no Palácio das Artes; Habitáculo, no Cine Theatro Brasil Vallourec e Horizonte Moderno no Centro Cultural Minas Tênis Clube (ambas em 2015).

 

Na mostra da Galeria Periscópio, parceira do projeto, reunimos as séries, Fonte luminosa da Praça Raul Soares (1936), Vista aérea (1939), Abertura da Avenida Amazonas (1941), Parque Municipal, Viaduto Santa Tereza , Arquitetura e Habitantes (décadas de 1930 a 1950), propondo um sobrevoo inicial neste importante acervo.

 

Fabíola Moulin, Marconi Drummond, Paulo Baptista e Renata Marquez

 

 

Local:

Periscópio Arte Contemporânea

Av. Álvares Cabral, 534 – Lourdes.

Belo Horizonte – MG

 

Visitação: De 20/05 a 17/06

Horários: segunda à sexta: 10h às 18:30

Sábado: 10h às 14h.

 

*crédito das fotos: Eduardo Eckenfels